Preguiças, tamanduás e tatus são temas de palestra no HEV

Preguiças, tamanduás e tatus são temas de palestra no HEV

Especialista em Xenarthras, Raphael Vieira Ramos falou de
características e curiosidades dos animais

“Biologia e Clínica de Xenarthras” – nome da Superordem das preguiças, tamanduás e tatus – foi o tema da palestra promovida pelo curso de Medicina Veterinária, por meio do Grupo de Estudos de Animais Selvagens (GEAS). O encontro aconteceu na sexta-feira, 29, no Hospital-Escola Veterinário e contou com a participação do médico veterinário Rapha Vieira Ramos. “Eu quero seguir na área de silvestres, após me formar. Então, essas palestras do GEAS são uma ótima oportunidade para me familiarizar com o assunto”, comenta a aluna do 3º semestre, Gabriela Bissoli.

De forma bastante descontraída, mas extremamente informativa, o convidado apresentou detalhadamente as características desses animais, considerados por alguns estudiosos como alienígenas – uma expressão bem humorada por conta de seus perfis tão diferenciados. “Eles têm dentições e focinhos estranhos, diferentes da maioria dos animais. A preguiça, por exemplo, tem dentes escuros porque não possuem dentina. Já os tatus não têm os dentes da frente, o que dá um aspecto curioso”, afirmou o palestrante.

A articulação da preguiça foi outro fator destacado pelo especialista. “O nome Xenarthra, Superordem desse animal, vem do grego e significa articulação estranha. Ela é toda adaptada para o animal viver em árvores. Por isso, quando você vê uma preguiça no chão a movimentação é esquisita”, explicou Rapha.

“Eu conheço pouco desses animais. Então, fico de olho nas palestras do GEAS, porque trazem temas interessantes para a nossa formação. É uma atividade muito boa, porque é diferente da sala de aula e pode trazer muito conhecimento também”, comentou Stephanie de Oliveira, aluna do 3º semestre de Medicina Veterinária.