UniMAX produz espaçadores para minimizar disseminação de COVID-19 decorrente do uso de “bombinha” por pacientes em tratamento respiratório

UniMAX produz espaçadores para minimizar disseminação de COVID-19 decorrente do uso de “bombinha” por pacientes em tratamento respiratório

Em ação coordenada pelo professor de Medicina, Dr. Éderson Dorileo, espaçadores feitos com apoio do FabLab ajudam a reduzir o efeito aerossol da bombinha com dilatadores químicos. 24 kits foram doados à UBS do Jardim Boa Vista no Butantã em São Paulo

A pandemia de COVID-19 apresentou inúmeros desafios a profissionais de diversos setores, sobretudo, na área médica, exigindo respostas rápidas de enfrentamento à disseminação do vírus. Foi a partir de uma dessas demandas urgentes que o professor do Laboratório MedTec de Medicina da UniMAX – Centro Universitário Max Planck de Indaiatuba, Dr. Éderson Dorileo, articulou e coordenou a produção de espaçadores para bombinha com dilatadores químicos utilizada no tratamento de alívio dos sintomas respiratórios (dilatação dos brônquios) do paciente infectado.

Em relação ao problema, o professor explica que: “Ao ser submetido ao tratamento respiratório com o uso de bombinha com dilatadores químicos, o paciente contaminado pode dispersar o vírus no ambiente por meio das micropartículas de aerossol durante a inalação, aumentando o risco de contaminação de outros pacientes e também da equipe médica local”, diz. 

Dr. Éderson conta que, em estreita comunicação com a equipe médica que lhe apresentou a demanda, foi desenhada, voluntariamente, uma iniciativa piloto para a prototipagem de 24 kits de espaçadores em caráter de urgência. Para isso, o docente contou com o com apoio do FabLab da UniMAX e do técnico de Laboratório, Fernando Rios, que contribuiu com a confecção do design 3D e serviço de impressão.

Segundo o professor, cada kit foi composto de três partes:

  •         Adaptador bucal: que foi pensado para ser usado diretamente em adultos (sem máscara de inalação) ou como molde de encaixe para máscaras de inalação infantil (já que as crianças não possuem uma boa vedação bucal);
  •         Extensor ou Afastador: cuja função foi de minimizar o aerossol. O afastador foi confeccionado usando tubos PVC (comprado em lojas de materiais de construção). O produto resistiu e foi aprovado nos testes de higienização química realizados pela própria equipe médica e;
  •         Adaptador da bombinha: Assim como o adaptador bucal, foi projetado e impresso na impressora 3D, de forma a promover o melhor encaixe e vedação possível.

Os kits de inalação foram produzidos segundo a demanda da Dra. Juliana Ribeiro da UBS (Unidade Básica de Saúde) do Jardim Boa Vista, no Butantã em São Paulo e foram doados sem nenhum custo à instituição. Todos os custos do projeto foram arcados pela UniMAX e pelo professor Éderson. “O afastador já existe no mercado, confeccionado em acrílico, mas com alta demanda no início da pandemia, esse produto entrou em escassez no mercado. Foi necessário que agíssemos de forma rápida para suprir essa falta apresentada pela Dra. Juliana”, destaca o docente. 

Texto: Tatiane Dias – (MTB 67029)